sábado, 28 de novembro de 2009

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

A Construção da Cidadania

Texto reflexivo para ser lido com papai, mamãe e outros interessados em educação.

Por Içami Tiba


A Cidadania deve começar em casa já com os primeiros passos da criança


O planeta Terra está passando por um período muito delicado. Ele está precisando muito do espírito cidadão para ser cuidado e preservado.

Diz-se que a Terra precisa de seus habitantes, mas são os seus habitantes que precisam dela, pois ela existe com ou sem eles. Basta que a temperatura básica global suba 5ºC para que muitas cidades em beiras de água (lagos, represas rios, mares e oceanos) tenham perdas incalculáveis, levando-se em conta que são onde vive a maioria da população. Países como Holanda, cidades como Nova York, ilhas paradisíacas formadas por corais e blocos de gelo das calotas polares sofrerão incalculáveis perdas gerando talvez bilhões de migrantes do aquecimento global.

Algumas pessoas pedem a diminuição da maioridade penal para combater a violência juvenil, acreditando que a impunidade é a sua maior causa, enquanto outras pedem que se libere a maconha, já que se torna impossível o seu controle. Para terceiros, a cerveja passou a ser refrigerante. Cada vez mais ministros, governantes e outros políticos estão envolvidos em grandes crimes contra o País.

Onde está a cidadania?

A família atual tem que incluir a cidadania na educação dos seus filhos. É a cidadania familiar praticada desde a infância. Os filhos, se tratados como príncipes quando crianças, tornam-se tiranos quando maiores. Mesmo sem competência querem fazer do “seu jeito” e acabam com qualquer herança em pouco tempo. O pior é que esperam que o mundo funcione como os seus pais, que lhe davam tudo e nada lhes cobravam. São as pessoas que exigem seus direitos, mas não cumprem os seus deveres.

Uma criança tem que aprender que sua brincadeira acaba quando ela guarda os brinquedos de volta no lugar que antes estavam. Ela tem de aprender a cuidar dos seus brinquedos, do seu quarto, da sua casa. É dessa maneira que ela, no futuro, vai querer cuidar também da Terra em que vive. Quando os adultos guardam os brinquedos que ela deixou espalhados, acabam desenvolvendo nela que isso não é sua obrigação. Fica essa falha na sua formação. Ela não se interessa em deixar o mundo melhor do que quando o encontrou. O amor é muito importante, mas só ele é insuficiente para formar um cidadão. É preciso que seja complementado pela educação. Portanto, quem ama tem que também educar.

Nenhum filho pode ofender, gritar, maltratar sua própria mãe. Se a mãe aceita, não tem por que a criança respeitar outras pessoas em casa, e muito menos fora de casa. Juntando a irresponsabilidade material com a falta de respeito ao próximo, acabamos destruindo o mundo.

Portanto, na cidadania familiar a criança tem que começar a praticar em casa o que o cidadão vai ter que fazer no social, e ela não pode fazer em casa o que não poderá fazer na sociedade.

Para um adulto, torna-se simples aceitar regras sociais, enfrentar filas, não jogar lixo no chão e não fazer desperdícios se ele aprender tudo isso já dentro de casa.

A ignorância pode fazer com que uma pessoa varra sua casa jogando o lixo na rua, que beba água contaminada, mais ela pode aprender a ser cidadã. O pior é fazer o que sabe que é errado, mas fazer porque “ninguém está olhando”, e vai ficar impune.

Mas as conseqüências não tardam a chegar. O aquecimento global, a violência social, a corrupção e a “lei do espertinho” são resultados da ignorância e da falta de cidadania de algumas pessoas, mas são todos os habitantes da Terra que acabam sendo prejudicados.

Portanto paizinho e mãezinha formem seus filhos verdadeiros cidadãos.


Educar é um ato de amor!

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

A loja da Educação




Caminhando pela rua vi uma loja que se chamava a loja da educação.
Entrei na loja e vi um professor no balcão.
Maravilhado lhe perguntei.
- Mestre professor o que vendes?
Ele me respondeu
Tudo que necessita para ter uma educação
Custa muito caro?
Não tudo é de graça?
Contemplei a loja e vi jarros de respeito, pacotes de esperança e dedicação, caixinhas de amor, sabedoria, flexibilidade de compromisso.
Tomei coragem e pedi:
Por favor, pedir muito amor, respeito, bastante, sabedoria, esperança emfim.
Educação para mim, para minha família e toda a comunidade.
Então o professor preparou um pequeno embrulho que cabia na minha mão.
Sem entender perguntei-lhe
Como é possível colocar tantas coisas nesse pequeno embrulho?
O professor respondeu-me sorrindo meu querido, aqui na loja da educação não oferecemos frutos apenas sementes.

Réquiem Por Uma Jovem Amiga

Sucupira branca (Pterodon emarginatus)
Réquiem Por Uma Jovem Amiga
Rômulo Pinto Andrade – Brasília, DF
"o brasileiro é antes de tudo um forte fazedor de deserto"
Bernardo Élis
Tantas vezes ao passar
pude sentir a graça
de tua insinuante beleza
coberta de flores rosadas.
Quando nas ásperas tardes
de um prolongado estio
eras sombra acolhedora
para alivio dos viventes
E lágrimas misteriosas
choravas serenamente
no silêncio deste vale,
tuas sementes curativas
espalhavas generosa
pelo vento.
Hoje lanço meu lamento
por estares assim inerte
à beira de uma estrada
desolada e poeirenta
do assentamento urbano.
O golpe do machado
do homem sem raiz
estúpido
inconseqüente
atingiu o fluxo
o cerne de teu tronco
e a alegria, a vida plena
que semeavas estancou-se,
minha linda sucupira.
Quando é que nossa gente
que depende tanto das árvores
terá olhos pra esta nobreza
e defenderá a vida e o encanto
que esses seres milenares propagam?